CHANGE FOR YOUR LANGUAGE.

ROBERTO LAURINDO- RADIOAMADOR BRASILEIRO

Minha foto
PRAIA GRANDE, SÃO PAULO, Brazil
SE VOCÊ GOSTA DE CW O SEU LUGAR É AQUI. AMATEUR RADIO THAT NEVER CW, A POET'S HOW YOU DO NOT KNOW VERSES.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

ENGENHEIRO CRIA NOVA TECNOLOGIA PARA ANTENAS.


Engenheiro cria nova tecnologia para antenas

Redação do Site Inovação Tecnológica - 30/06/2004
Engenheiro cria nova tecnologia para antenas

Um engenheiro do Departamento de Física da Universidade Rhode Island, Estados Unidos, Rob Vincent, confirmou mais uma vez que a necessidade é a mãe da invenção. Rádio-amador desde criança, ele sempre sofreu com a impossibilidade de montar uma grande antena em sua casa.

"O Cálice Sagrado da tecnologia de antenas é a criação de uma pequena antena com alta eficiência e banda larga," explica Vincent. "De acordo com a teoria atual, você tem que deixar de lado um dos três - tamanho, eficiência ou largura de banda - para obter os outros dois."

Após décadas de testes, combinados com uma experiência de 30 anos como engenheiro, Vicent inventou uma nova tecnologia de antenas que é revolucionária. Suas antenas monopolo de carga distribuída são pequenas, têm alta eficiência e mantêm uma largura de banda de boa a excelente. E têm múltiplas aplicações.

Com esta tecnologia, será possível pelo menos dobrar o alcance dos rádios utilizados pela polícia, bombeiros e pessoal de segurança. Outras aplicações possíveis são: antenas portáteis para uso militar, navios e até monitores de bebês. Até as RFID, etiquetas inteligentes que deverão substituir os códigos de barras de produtos, deverão ser beneficiadas.

"Ela pode até mesmo tornar o relógio de pulso do Dick Tracy, com todas as suas características, como acesso à Internet, uma possibilidade," afirma o inventor.

Os testes confirmaram que as antenas de Vincent têm entre um nono e um terço do tamanho das antenas comerciais de mesmo desempenho. Normalmente as antenas pequenas têm uma eficência entre 8 e 15 por cento. Mas as novas mini-antenas, criadas a partir de um programa de computador que simula seu comportamento, atingem entre 80 e 100 por cento de eficiência.

A Universidade requereu a patente da invenção e deverá licenciá-la para que as novas antenas possam chegar ao mercado.
ORIGINAL EM: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=010115040630

Nenhum comentário:

Postar um comentário