CHANGE FOR YOUR LANGUAGE.

ROBERTO LAURINDO- RADIOAMADOR BRASILEIRO

Minha foto
PRAIA GRANDE, SÃO PAULO, Brazil
SE VOCÊ GOSTA DE CW O SEU LUGAR É AQUI. AMATEUR RADIO THAT NEVER CW, A POET'S HOW YOU DO NOT KNOW VERSES.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

IMPERDIVEL TEXTO DE NOSSO AMIGO RADIOAMADOR VALD- PY2IAX.





Um ente querido

Vald – PY2IAX
Habilitado desde 1979.
E-Mail py2iax@ig.com.br .



Muitos de nós já passaram pela tristeza de perder um ente querido e logo vem a mente lembranças ruins desse período. Com a propriedade de quem já perdeu a companhia de pai, mãe, irmão e grandes amigos, relato alguns pensamentos que povoaram minha mente por influência de tais episódios.
É natural o sentimento de tristeza nos cobrar posições que deveríamos ter tomado na época em que a pessoa ainda estava viva e gozava de nossa companhia. Destaco algumas que me vem a memória neste momento:
_ É... eu devia ter dado aquele abraço nela.
_ Eu não contei o como admirava-a.
_ Se soubesse que ela iria morrer tão cedo teria ficado ao seu lado mais tempo.
Com certeza, dependendo do relacionamento das pessoas envolvidas, muito mais sentimentos estarão latentes.
Logicamente, com ajuda de pessoas mais experientes, pais, padres, psicólogos, terapias, etc, as pessoas passam por essa fase, normalmente, sem muitos estragos, embora alguma frustração sempre fica.
Fiz uma analogia entre um ente querido e nosso hobby pois a maioria de nós radioamadores temos muitos anos dedicado a essa atividade que ocupa espaço em quase todo o tempo de nossa vida. Alguns estão envolvidos apenas por diversão, outros para treinamento próprio, por curiosidade, comercialmente, valorização das relações humanas, culturais, etc. Seja qual for a forma de envolvimento, o fato é que quase todos nós vivemos intensamente essa atividade o suficiente para que eu tome a liberdade de compará-la a um ente nessa explanação que faço aqui.
Observando ainda no nosso hobby (radioamadorismo), propagação ruim, as novas tecnologias, pirataria, pouca fiscalização, vida moderna, QRM, etc, não posso deixar de afirmar que muitos pensam, tentam e até abandonam a atividade, tamanho é a desilusão adquirida.
Não posso ainda tirar-lhes a razão (tambem passei por isso) mas devo pedir que tentem observar e agir de forma diferente como as que relatarei de agora em diante.
A vida é curta e a sensação de que está passando cada vez mais rápida é aceita por muitas opiniões. Diz um ditado chinês “a vida é curta e voce não vai sair vivo dela”, então relaxe e tente aproveitar o que há de bom ainda em nosso hobby.
Se voce nunca operou em CW (radiotelegrafia), tente aprender e curta os QSO que virão. Se já varreu o mapa mundial trabalhando cada país, tente agora refazê-lo operando QRP (acredite, é possível) com um, dois, cinco ou menos Watts. Se só faz QSO no idioma brasileiro, tente aprender um pouquinho de uma língua (o inglês é ideal) e procure fazer DX, falar com outros povos, culturas, etc. Se já saturou de fazer SSB, tente aprender operar na modalidade de fonia mais simples e cativante que existe, o AM. Se já operou com a maioria dos equipamentos comerciais de ponta, tente montar um simples RX de galena ou conversão direta, um TX valvulado (é... ainda se opera com essa tecnologia antiga) ou mesmo um equipo QRP com dois transistores. Se está cansado de velharias, adquira um equipo de última geração e aprenda a brincar/operar menus ao invés de botões. Não gosta mais dos QSO tradicionais, faça contestes, VHF, reflexão lunar, satélites, modalidades digitais, etc. O que não vale é acomodar, não lutar (por voce, pela atividade, pela amizade, pela humanidade), enfim, existe muita alegria nesse hobby te esperando, ele não se importa com sua cor, sua religião, sua profissão, sua remuneração, seu grau de instrução, seu ideal, etc, ele é bem democrático.
Não deixe a peteca cair, lembre-se, esse hobby é como um ente querido e quando a evolução tomar conta, sentiremos muita saudade e arrependimento por não tê-lo curtido em seus últimos dias, suas particularidades, sua simplicidade, sua companhia e todas as alegrias proporcionadas por ele.

“A morte não é a maior perda. A maior perda da vida é a que morre dentro de nós enquanto vivemos”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário